Visitas em Unidades Prisionais de Minas Gerais estarão suspensas a partir deste sábado (21)

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

A Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública de Minas Gerais (Sejusp) informou na tarde desta quinta-feira (19) que vai suspender as visitas em todas as unidades prisionais de Minas Gerais. A medida incluiu o Presídio de Presidente Olegário, o Presídio Sebastião Satiro em Patos de Minas e as Penitenciárias de Carmo do Paranaíba e Patrocínio.

“Colocando a vida em primeiro lugar e com o objetivo de preservar a saúde de profissionais do Sistema Prisional e dos 75 mil detentos que estão sob a responsabilidade do Estado, decidiu suspender as visitações às unidades prisionais de Minas, a partir do próximo sábado (21/3)”, diz a nota emitida pela pasta. Também estão suspensas as entregas, até então opcionais, por familiares de presos, de kits com suplementos em alimentação, materiais de higiene, entre outros objetos.

––– CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE –––

Segundo a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública, a medida busca diminuir a circulação de pessoas e materiais contaminados nas estruturas prisionais, evitando uma possível propagação do coronavírus no ambiente prisional.

“Os profissionais do Departamento Penitenciário de Minas Gerais (Depen-MG), para proteção de toda a sociedade, não têm a possibilidade de ficar em casa e, portanto, precisam dessa proteção. Ao mesmo tempo, vale ressaltar que a população prisional tende a ser mais vulnerável ao coronavírus por questões de saúde decorrentes de condições próprias ao encarceramento”, esclareceu a pasta.

A medida é temporária. Todas as condições de visitação serão restabelecidas tão logo a pandemia do coronavírus não apresente mais riscos à população.

“A Sejusp destaca que os detentos foram informados das mudanças na rotina nas unidades na manhã desta quinta-feira (19/3). A secretaria solicita a compreensão de todos os familiares de presos quanto à necessidade da aplicação da medida, que busca tão somente resguardar a saúde e a vida dos encarcerados e dos profissionais do Sistema Prisional”, finalizou.

FONTE: RÁDIO MONTANHEZA