Vacas morrem eletrocutadas na zona rural de Rio Paranaíba e família denuncia descaso da Cemig

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

A queda de energia na zona rural de Rio Paranaíba no último sábado (28) tem causado muita dor de cabeça para um produtor rural. Desde o dia em que faltou energia na fazenda, o produtor e suas filhas tem tentado entrar em contato com a Cemig para a solução do problema, porém, não obtiveram sucesso.

Segundo relatos de uma das filhas do produtor que procurou nossa redação na manhã desta terça-feira (31) para denunciar o descaso da concessionária, os operários chegaram ir na região no domingo (29) e aparentemente solucionaram o problema. Mas na noite desta segunda-feira (30) um fio de alta tensão se rompeu de um poste que fica a cerca de 03 Km da sede da fazenda, encostou na cerca de arame e causou um grande prejuízo para o proprietário.

––– CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE –––

De acordo com informações apuradas pela nossa equipe, os animais que estavam próximo a cerca morreram eletrocutados e por pouco não houve uma tragédia ainda maior. Os proprietários da fazenda relataram que só viram as faíscas de fogo e os animais morrendo, não tendo para onde fugir.

O produtor desmaiou e sua esposa enrolou as mãos e perdeu a fala com a forte corrente elétrica. Após alguns minutos, eles conseguiram entrar em contato a filha na cidade que acionou a Polícia Militar para socorrê-los. Eles foram levados para o Hospital Municipal e foram liberados pelo médico de plantão.

Um veterinário teve que ser chamado para ajudar a contabilizar os prejuízos causados pelo acidente. Nossa reportagem conversou com o veterinário e, segundo ele, morreram treze cabeças de gado leiteiro e outras duas ficaram com sequelas e não servirão mais para a produção de leite.  Ele ainda disse que o prejuízo do proprietário pode chegar a 70 mil reais, pela perda dos animais e pelo gasto com remédios.

Os familiares tentaram por diversas vezes entrar em contato com a Cemig, para que os operários resolvessem o problema, porém novamente sem sucesso. A família relata o descaso que a Cemig vem tratando o fato. Conforme eles disseram, desde sábado estão tentando fazer contato com a central da concessionária em busca de uma resposta do fato, mas não estão obtendo êxito.

Nossa redação também entrou em contato com a Cemig na manhã desta terça-feira e fomos informados de que é preciso esperar para a reparação do fio e que é necessário a Família registrar um boletim de ocorrência para que seja dado início ao processo de ressarcimento dos bens perdidos. A empresa não disse quanto tempo demorará para realizar o reparo na energia da fazenda.

PARECER TÉCNICO

Um engenheiro elétrico também foi chamado na fazenda para tentar entender como tudo aconteceu. Segundo ele, é provável que o cabo deve ter partido na madrugada de sábado e que os aparelhos da Cemig ao perceber o rompimento do cabo, desligaram a energia automaticamente, deixando a região sem energia.

O engenheiro ainda relata que ‘por se tratar de um pequeno número de clientes atingidos pela falha, não é do interesse da empresa mandar uma equipe ao local o quanto antes, já que o custo do deslocamento da equipe é superior ao custo decorrente do não fornecimento de energia’ e que no domingo, os técnicos da concessionária foi até o vizinho (que também realizou a abertura de um chamado de reparo) e entenderam que o problema seria em um outro local e foram realizar o reparo, prevendo um horário para o reestabelecimento da energia.

Só que o reparo nesse local provavelmente terminou durante à noite, sendo autorizado o reestabelecimento da energia. Os técnicos não tinha conhecimento que havia um outro cabo partido na região e que este estava encostando na cerca que vai até o curral da fazenda.

O engenheiro ainda explica que por volta das 21h a energia foi reestabelecida e que a cerca passou a ser condutora de eletricidade até a sede da fazenda. Por questões de segurança, a cerca é ligada na terra que espalhou a eletricidade que acabou matando tanto os animais que estavam em contato com a cerca, quanto aqueles que estava na região do curral.

Fonte: Patos Hoje