MP irá investigar estabilidade e segurança das barragens da Kinross em Paracatu

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) instaurou, nesta sexta-feira (8), um procedimento para investigar a estabilidade e a segurança do maior complexo de barragens de rejeitos do país, localizado em Paracatu, no Noroeste de Minas Gerais.

Com licenças de instalação e funcionamento aprovadas pelo Estado, esse sistema integra as operações de mineração de ouro, de raízes históricas e seculares, sob a responsabilidade da Kinross Brasil Mineração. Informações iniciais sobre a situação das barragens Eustáquio, uma das maiores do país, e Santo Antônio foram coletadas pela Central de Apoio Técnico (Ceat) do MPMG.

––– CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE –––

Outras foram requisitadas ao Estado, ao Conselho Regional de Engenharia (CREA) e à Kinross para verificar também técnicas adicionais ou substitutivas que instrumentalizem as melhores tecnologias disponíveis no mercado para a segurança hidráulica das barragens, uma vez que no complexo é usado o modelo de alteamento a jusante.

De acordo com a Coordenadoria Regional, moradores de Paracatu e região questionam a segurança das barragens e ficam receosos com os possíveis riscos relativos às operações no complexo, tanto para os distritos rurais das imediações quanto para a bacia hidrográfica do São Francisco, que seriam afetados diretamente caso ocorresse um acidente ou uma tragédia.

Para o promotor de Justiça Athaide Peres, mesmo que laudos atestem a estabilidade e a segurança do complexo minerário, é necessário, nesse momento, elucidar a situação do empreendimento, inclusive em relação à tecnologia de disposição de rejeitos, uma vez que, segundo o promotor, a tragédia de Brumadinho tem intrigado tanto a população residente próxima às barragens, quanto as autoridades brasileiras.

Fonte: EM.com.br