A Prefeitura de Presidente Olegário, no Noroeste de Minas, decretou estado de emergência por conta da estiagem. De acordo com informações da Defesa Social, o decreto foi publicado em junho e tem validade até dezembro. Agora, com o reconhecimento da situação pelo governo federal, o município entra em uma situação jurídica especial e conseguirá recursos para medidas emergenciais.

Segundo o secretário de Agricultura, Júlio Reis, 80% da área do município, que depende da agricultura, foi atingida pela seca. No município não chove desde o início maio. Com essa estiagem de quase quatro meses, os produtores foram afetados porque água dos córregos e rios da região sumiu e os reservatórios passam a maior parte do tempo vazios.

Além da falta de água nos reservatórios, a estiagem prejudica também a produção como um todo. De acordo com o produtor rural Lélios Olimpio da Silva, sem a chuva o pasto secou e isso interfere na produção de leite. Ele afirma que quando o pasto estava bom dava até 300 litros leite e que agora caiu pra 200.

Sueli Ramos da Silva também sentiu o impacto na produção de farinha de mandioca e polvilho. “Tá fazendo falta. Eu não tenho outra renda. E a farinha é pra ajudar a comprar alguma coisa para as crianças”, disse ela.

Para tentar amenizar a situação, a Prefeitura têm mandado caminhões-pipas para a região, mas por causa da distância e da grande área atingida pela seca, só consegue fazer o abastecimento a cada três ou quatro dias. “Atualmente temos dois caminhões. Um da prefeitura e outro licitado, só para atender essa demanda se consegue atender dez propriedades por dia”, acrescentou o secretário.

Fonte: G1