Além de transportar passageiros acima da capacidade, o ônibus que seguia de Arapiraca (AL) até São Paulo (SP) e acidentou na BR-146 no último sábado (2) em Serra do Salitre, na região Alto Paranaíba, apresentava outras irregularidades como vencimento do tacógrafo e falta de cadastro para fins de fiscalização junto à Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

No bilhete entregue aos passageiros consta o nome da JS Turismo, instalada em Goiás. No entanto, o representante da empresa, Emerson César, informou que não atende a linha AL-SP e que o veículo não faz parte da frota.

Conforme pesquisa, o ônibus com placas CBR-8604, de Dois Córregos (SP), não consta no cadastro da ANTT. O G1 também consultou a situação do veículo junto ao Departamento de Trânsito (Detran) e há uma autuação por excesso de velocidade em uma rodovia estadual do interior de Minas Gerais. A infração foi cometida no último mês de junho.

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) de Patos de Minas informou que o tacógrafo do veículo estava vencido desde maio deste ano.

Sobreviventes relatam que motorista corria

O passageiro Fábio Silva Marcelo foi um dos sobreviventes do grave acidente e contou como foi. “Eu estava acordado e, na hora que fez a curva, saiu todo mundo voando. O ônibus estava lotado, tinha crianças no colo e sem cinto de segurança”, afirmou.

Outros dois passageiros que foram ouvidos pela Polícia Civil de Patrocínio, cidade na região Alto Paranaíba, relataram que o motorista seguia em alta velocidade e que em determinado momento foram até a porta para alertá-lo. O motorista então teria dito que estava correndo para tentar despistar um carro que seguia o ônibus e que ele acreditava se tratar de assaltantes.

Em entrevista à produção do SPTV 2ª Edição, outro sobrevivente que seguia de Arapiraca para Franca afirma que o ônibus era clandestino.

O passageiro está em uma casa de apoio municipal na cidade de Patrocínio e também relatou ao produtor André Rosa, da Globo São Paulo, que as condições do veículo eram precárias e que ele pagou quase metade do valor real da passagem em comparação com o bilhete vendido pela empresa regular.

“Até os motoristas não tinham lugar para dormir e dormiam no maleiro, revezando. Cinto de segurança não tinha, em nenhuma poltrona. A iluminação ficava piscando e o ar condicionado estava quebrado, a situação do banheiro era precária e o ônibus estava muito cheio. O limite dele é de 45 pessoas e ele vinha com 65”, finalizou.

A Polícia Civil de Patrocínio instaurou inquérito para apurar as causas do acidente e a responsabilização. A TV Integração tentou contato com o proprietário do veículo, que estava no ônibus e foi internado em Araxá, porém ele se recusou a receber a equipe de reportagem no último sábado (2).

Vítimas

A Polícia Rodoviária Estadual e o Corpo de Bombeiros contabilizaram seis vítimas fatais e dezenas de feridos. Cinco corpos foram levados para o Instituto Médico Legal (IML) de Patrocínio e identificados como sendo de três mulheres e dois homens. A sexta vítima foi socorrida com vida e levada para Araxá, mas não resistiu aos ferimentos.

Dos feridos levados a Patrocínio, nove permanecessem em observação na Santa Casa e uma no Pronto Socorro Municipal. Os pacientes que receberam alta foram conduzidos a uma casa de acolhimento da cidade até retornarem para as cidades de origem. No Hospital Regional de Patos de Minas, cinco pessoas estão internadas, sendo uma jovem de 29 anos em estado mais grave. Ela sofreu amputação dos dois braços no acidente.

Acidente

Segundo as informações da Polícia Civil de Patrocínio, o ônibus saiu de Arapiraca (AL) na última quarta-feira (30) com destino a São Paulo (SP), em uma viagem que duraria três dias. Contudo, os passageiros relataram que o veículo quebrou e eles ficaram esperando cerca de 24h no estado da Bahia.

Os passageiros seguiram viagem no dia seguinte. O motorista perdeu o controle da direção em uma curva da BR-146, na altura do km 87, próximo ao município de Serra do Salitre. O veículo tombou e caiu em uma valeta às margens da pista. A maioria dos passageiros seguia para o estado São Paulo em busca de trabalho e outros já moravam no estado.

Os trabalhos de resgate contaram com equipes do Corpo de Bombeiros de Araxá, Patrocínio e Patos de Minas. Foi necessário o uso de guindaste para retirada do veículo do buraco e a rodovia ficou fechada por várias horas.

Fonte: G1