A ibogaína, substância anunciada em sites como “útil” no tratamento da dependência de crack e cocaína, não tem regulamentação nem aprovação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Ainda, a agência informa que a comercialização da ibogaína é proibida no Brasil. Extraída da raiz da iboga, planta originária do continente africano, a planta é utilizada em cerimônias da religião Bwiti, no Gabão, informa a entidade.

Embora alguns estudos tenham testado a erva para o tratamento da dependência — como os feitos no Departamento de Psiquiatria da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) –, a agência diz que não há testes conclusivos que tenham sido apresentados, bem como não há conhecimento total sobre os possíveis efeitos colaterais da planta.

Por esse motivo, o órgão conclui: “Não se pode afirmar que a substância tenha efeitos medicinais. Caso haja clínicas ou sites de internet que ofereçam ou vendam o produto, trata-se de algo não regulamentado.”

Fonte: G1