Estelionatários aplicam golpe do protesto em Vazante

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Comerciantes de Vazante e região devem ficar atentos! Nos últimos meses, ocorreram algumas tentativas do chamado Golpe do Protesto na cidade.

No golpe, estelionatários entram em contato com as vítimas por telefone, cobram dívida indevidamente e oferecem a possibilidade de pagá-la mediante depósito bancário.

–––––– CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ––––––

Geralmente o golpista entra em contato por telefone, identifica-se como funcionário de uma assessoria de cobrança de crédito, ou funcionário do cartório de protesto e informa que a pessoa ou empresa será protestada por ter deixado de pagar uma dívida, o que implica na possibilidade de execução judicial do débito e penhora dos bens ou, ainda, no requerimento da falência da empresa. “Além do telefonema, alguns deles montam uma intimação e encaminham por e-mail com os dados do título”.

Ao aplicar o golpe, o criminoso informa à pessoa o cartório para onde o título foi enviado, com o nome do tabelião, endereço e telefone fictícios. Ao ligar para o número de telefone informado, a vítima negocia com outro membro da quadrilha, que solicita um depósito em uma conta corrente, naquele mesmo dia, para impedir que o documento seja protestado.

É importante que as pessoas saibam que os tabeliães de protesto só podem intimar para pagamento no próprio tabelionato. Eles não realizam a intimação dos títulos protocolados para protesto e não fazem contato com os devedores por telefone ou e-mail.

Ao receber uma cobrança desse tipo, a pessoa não deve confiar no telefone fornecido. Faça uma pesquisa por conta própria, na internet ou lista telefônica, localize o telefone do Cartório citado e, aí sim, faça o contato.

Na cidade de Vazante, as reclamações da tentativa desse golpe são de que ocorreram via telefone, quando ligaram e informaram as empresas que eles tinha dividas com a ALGAR, de anúncio na lista e Google. Uma das empresas entrou em contato direto com a ALGAR e foi alertada sobre o golpe.