É #FAKE que maioria dos votos nulos anula eleição e impõe novo pleito com outros candidatos

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Uma mensagem que circula na internet pelo menos desde 2010 defende o voto nulo e diz que, se essa opção alcançar maioria, a eleição é anulada e todos os candidatos são impossibilitados de concorrer novamente. Esse rumor ganha força a cada dois anos e está de volta. Mas é #FAKE.

O texto ganha apresentações diferentes de tempos em tempos para chamar a atenção de quem o recebe nas redes sociais.

–––––– CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ––––––

A verdade é que a eleição só é cancelada quando a maior parte dos votos fica nula em razão de uma irregularidade/cassação da chapa do vitorioso.

Caso contrário, os votos não são considerados válidos. E para decretar a vitória de um candidato, só os válidos interessam (os brancos e nulos são excluídos da conta).

Veja o que diz o TSE

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) diz que vem há muito tempo desmistificando notícias falsas a respeito da questão do voto nulo.

Segundo o TSE, a ideia de que se mais de 50% dos votos forem nulos a eleição é anulada é falsa porque como apenas os votos válidos são considerados na contagem final, se a maioria dos eleitores votar nulo, todos esses votos serão descartados e ganhará o candidato com o maior número de votos válidos.

Ou seja, mesmo se mais de 50% dos eleitores votarem nulo, a eleição não é anulada.

Mensagem no Facebook tem informação incorreta sobre impacto nas eleições  — Foto:  ReproduçãoMensagem no Facebook tem informação incorreta sobre impacto nas eleições  — Foto:  Reprodução

Mensagem no Facebook tem informação incorreta sobre impacto nas eleições — Foto: Reprodução

A confusão ocorre devido a uma interpretação errada do artigo 224 do Código Eleitoral. A “nulidade” a que a legislação se refere diz respeito a votos tornados nulos por decisão judicial (devido à prática de abuso de poder político, por exemplo).

O TSE fez, inclusive, um vídeo para rebater esse mito.

FONTE: G1