Casos de meningite aumentam em Uberaba; Departamento de Vigilância em Saúde nega surto

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Os casos de meningite viral em Uberaba, em janeiro de 2018, aumentaram quase três, em comparação com o mesmo período de 2017. Os dados são da assessoria de comunicação da Prefeitura.

Ao todo, foram 14 casos confirmados da doença em 2018 e três apenas em janeiro do ano passado. Em fevereiro, foram dois casos confirmados. Porém, o diretor do Departamento de Vigilância em Saúde, Nelson Ranieri, negou que haja surto de meningite viral na cidade.

––– CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE –––

O monitoramento do Boletim Epidemiológico foi atualizado na última sexta-feira (9) e os dados mostram que são 124 casos de tipos de meningite notificados desde o dia 1º de outubro. Não há mortes pela doença.

Nesse período, já estão contabilizados:

  • Meningite viral: 58 casos
  • Meningite bacteriana: 1 caso
  • Meningite por outras origens: 7 casos
  • Casos não especificados (que tinham suspeita de meningite bacteriana, mas que não foram confirmados): 33
  • Casos descartados: 24
  • Casos em investigação: 1

Segundo Ranieri, houve crescimento expressivo no número de casos, principalmente no final de 2017. No entanto, ele garante que não há surto da doença.

“Não podemos usar o termo ‘surto’ por não existir relação entre os casos. São casos esporádicos, que não têm relação temporal, de idade, população, geográfica. O que tivemos foi um aumento expressivo dos casos em dezembro de 2017, mas a curva epidemiológica mostra que o número de registros vem caindo a partir desse mês. Porém, se compararmos com o número de casos de janeiro de 2017 até agora, temos um número acima do esperado”, explicou.

No sistema público de saúde há vacina disponível para a meningite bacteriana, mas que não protege contra a forma viral da doença. A recomendação do Departamento de Vigilância em Saúde é, então, buscar atendimento médico assim que os sintomas surgirem.

“Aconselhamos a não esperarem, a não ficarem com tratamentos paliativos. Vão às unidades de saúde pública ou particulares, que estão orientadas a fazerem a notificação imediata desses casos e informar à Prefeitura. Aí então entra o trabalho do Departamento, que é investigar esse caso e compilar o total desses números para alertar a população caso haja aumento expressivo”, ressaltou o diretor.

Crianças com meningite

Na última segunda-feira (12), o filho da corretora de imóveis, Simone Barbosa, foi internado com sintomas de meningite. A criança tem seis anos, foi isolada e passou por exames que confirmaram o diagnóstico.

“Falaram que ele está com meningite viral, daí começou o tratamento com medicamentos e agora ele está se recuperando bem”, contou a mãe.

Nos últimos três meses, o Hospital da Criança em Uberaba notificou 50 casos de meningite. A maioria viral, que é a forma menos grave da doença. No entanto, a direção da unidade confirma que foram atendidos pacientes com suspeita de meningite bacteriana.

O filho da dona de casa, Sara Batista, está internado desde a semana passada com febre, fotofobia (sensibilidade à luz) e rigidez na nuca. Depois dos exames, os médicos trataram o caso como meningite bacteriana.

“Quando chegou o resultado do liquor, isolaram a bactéria e eles falaram que não seria de tanto risco, mas há riso se não houver um atendimento imediato. O progresso foi rápido e agora ele vai receber alta”, afirmou Batista.

Aumento de casos em 2017

G1 divulgou, em janeiro, que o número de casos confirmados de meningite mais que dobrou de 2016 a 2017 em Uberaba. Os dados também foram repassados pela assessoria da Prefeitura. Foram 114 confirmados em 2017 e 49 em 2016. O levantamento apontou que não houve nenhum caso de óbito nesses dois anos.

Em nota ao G1, a Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) também enviou dados sobre a doença e apontou que Uberaba teve 51 casos de meningite confirmados em 2016, enquanto em 2017 foram 102.

A pasta estadual esclareceu que todos os casos suspeitos de meningite devem ser notificados aos serviços de saúde pública o mais rápido possível, para que as medidas de prevenção e controle sejam efetivadas de forma oportuna.

Fonte: G1