7 minutos de terror: entenda como o Perseverance vai pousar em Marte

Por incrível que pareça, lançar um rover pesando uma tonelada em uma jornada de mais de seis meses e 200 milhões de km é a parte “fácil” de uma missão a Marte. O verdadeiro desafio será pousar o Perseverance no planeta, algo tão complexo que até hoje só metade das missões que tentaram essa manobra tiveram sucesso.O principal problema é que a atmosfera de Marte é muito mais fina que a da Terra. Com isso ela não oferece resistência ao rover, que cai em alta velocidade. Para desacelerar o veículo e impedir que ele vire uma panqueca no solo marciano é necessário combinar várias técnicas, executadas com precisão absoluta.No início da entrada na atmosfera marciana o rover é protegido por um escudo térmico com 4,5 metros de diâmetro, que terá de suportar temperaturas de mais de 1.000 ºC. Quatro minutos após o início da manobra, a uma altitude de cerca de 11 km, um paraquedas supersônico com 21 metros de diâmetro se abre para reduzir ainda mais a velocidade.ReproduçãoPerseverance recebendo o escudo térmico (a peça cônica com cor de areia na parte de baixo da imagem) que irá protegê-la do calor durante a entrada na atmosfera marciana. Foto: Nasa/JPL20 segundos depois, o escudo térmico é ejetado para que câmeras e radares na parte de baixo do rover possam ter uma boa visão do solo. O paraquedas continua aberto até uma altura de cerca de 2 km, quando se separa.Ainda assim o rover, que está preso a uma plataforma, está viajando rápido demais. A penúltima etapa consiste no uso de retrofoguetes montados na plataforma para desacelerar ainda mais o veículo. A técnica é similar à usada pela SpaceX, que aciona os motores de seu foguete Falcon 9 para reduzir a velocidade antes do pouso.Quando a plataforma chega a uma altitude de 20 metros em relação ao solo, ocorre a última etapa: ela paira no ar, e usa cabos para descer o rover suavemente até o solo. Assim que ele pousa os cabos são cortados, e a plataforma voa para longe. Toda a sequência é mostrada no vídeo abaixo:O trajeto da órbita ao solo leva sete minutos, e deve ser feito de forma completamente automatizada, sem comunicação nenhuma com a Terra. Isso porque um sinal de rádio leva 7 minutos para ir da Terra a Marte, e uma resposta levaria mais 7 minutos.Ou seja, quando recebermos a informação de que o rover iniciou a descida, ele já estará na superfície de Marte. Por isso os cientistas chamam esse período de “7 minutos de terror”, porque até receberem a confirmação do pouso não há o que fazer além de torcer pelo melhor.Por mais complexo que pareça, esse método já foi usado com sucesso no pouso do rover Curiosity, oito anos atrás. Os engenheiros da Nasa esperam repetir o feito em 18 de fevereiro de 2021, quando o Perseverance deve chegar à cratera Jezero, no hemisfério norte marciano. Estaremos torcendo por ele.
Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp